domingo, 10 de abril de 2011

Cruz credo, hoje é dia de Ozo!

.. Anga Mazle . . .

. . . . . Tirem as crianças da sala, lacrem com piche bento o fiofó dos cães, do papagaio e das piabas! . . . . .

. . . . . António Cabrita soltou há pouco na praça, bem no átrio da Matriz de Maputo, uma oceânica récua de poemas do nefando Ozo! . . . .

. . . . . Eis uma provinha:. . . . . . . .

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quando a despi

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . no vértice que crisma

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . .a noite, no lugar

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .onde as águas se juntam

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ao sorvo das éguas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e as pernas se abrem,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . loquazes,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . tinha um donuts.

.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ainda se o bigode fosse a mielas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .mas era só dela

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a tipa era mão de vaca e não

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . emprestava nem um bocadinho

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ao mano,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .uma cara encovada

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e sem um pêlo para amostra,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . como um cu

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .enfiado em si mesmo.

.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – o nevoeiro desponta

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . quando a Nossa Senhora

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . repousa os seios

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . em terra.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – tens a certeza?

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – pelo menos foi

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o que a minha mãe

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . me disse.

.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . se conseguires encostar

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a orelha à tua sombra

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ouvirás o mar

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mas tem de ser

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . com os pés no ar.

.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 (os sítios indevidos)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – senhor juiz, no momento

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . foi impossível furtar-me

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a medir trinta passos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . na vereda estreita do sexo dela,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . que aliás se dilatava à passagem.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – e o senhor não ouvia o culto

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . no santuário do Cristo Rei?

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – estava vento e o arvoredo

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . só me deixava ouvir

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . uma briga de andorinhas.

.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a congeminada artrite das palavras,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a sua mordedura,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . cálida,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e por vezes absurdamente

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . tolerante,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . leva-me a confiar

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mais na escalada dos teus seios.

.

.

.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . *. . . . . . . *. . . . . . . *..

.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. Ai, Jesus,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. meu Jesus Cristinho,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. agrilhoa para sempre

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. a car.caça do Cabrita

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. (e ainda depois do sempre,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. a alma do gajo) ao exílio

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. voluntário em Maputo –

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. e lá mesmo enterre já esse Ozo

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. a sete palmos de aço tedesco,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. antes que o sátiro – e suas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. moelas do Tinhoso –

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. de riso e orgasmo e flato

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. nos linchem a todos!

.

Leiam mais, muito mais, se a falta de escrúpulos pundonorosos assim o determinar, aqui !


23 comentários:

Katinha disse...

É Anga, naqueles idos tempos o Tuca não lacrou o fiofó do pobre Bume. Hoje reconheço, o Ozo andava pelas ruas do Laranjeiras! E pior ainda, mal acompanhado...

Tuca Zamagna disse...

Não repare, não, Anga. A Katinha foi contaminada pela amnésia abstêmia do amado lá dela. Bume era uma cadela, assim como Laranjeiras, o bairro, era e continua sendo neutro. Mas o Ozo, sim, se por lá andasse, estaria realmente muito bem mal acompanhado.

Natalia F S disse...

Adorei esse Ozo, um sacana de fino humor. Vou lá no blog do Antonio Cabrita ler mais.

Beijos, querida Anga!

Aline Chaves disse...

Tudo de primeiríssima, Anga.
O 17 e o 25 são os meus preferidos.
O Cabrita é mesmo uma figuraça!
Bjs

Antonio Alves disse...

"– senhor juiz, no momento
foi impossível furtar-me
a medir trinta passos
na vereda estreita do sexo dela,
que aliás se dilatava à passagem."

Muito bom!!!

Márcia Luz disse...

Gosto muito de poesia que se faz prosa e vice-versa.

Regina d'Ávila disse...

E vai medindo a loucura...kkk

Adorei..
Obrigada pela visita..
Passo mais tarde para olhar com calma
Super doces beijos,
Regina d Ávila.

Carla Diacov disse...

Jèsuizsz!



beijimnmn!

Imagem e Poesia disse...

Fantásticos escritos!
Adorei vir visitá-lo!
Foi um grande prazer!
Beijinhos
Ceiça

Celinha H disse...

Demais, Anga!

O Raposas a Sul é um tudo, um blog realmente genial!

Beijos

♪ Sil disse...

Minhanossasenhoradabicicletasemfreio hehehe.

To indo lá ler!

Beijooo Anga!

Aloisio Trobinski disse...

Sensacional Anga!

Já tomei um monte de tombos tentando ouvir o mar na minha sombra... hehehe

Fati Lima disse...

O humor irreverente do Ozo tem tudo a ver com vocês, Anga. E comigo também... na hora de rir! Bjs

Deco disse...

Sua zoação com o Antonio Cabrita no final dos textos ficou bem na linha do Ozo. Muito engraçado tudo!
Beijos

Eu outro Eu disse...

Que bom que você meu blog, porque, assim, pude encontrar o teu.

Gostei muito do que vi por aqui (e fiquei com inveja, né?)

Um abraço!

Continue visitando que não demoro a voltar a escrever.

Flávio Soares disse...

Achei muito interessante os textos. Esse ozo é arretado mesmo.

Iza disse...

Escrito diferente dos que costumo ler. Por isso mesmo já estou seguindo pois "variedade na linguagem escrita" é o que aprecio. Conforme meu temperamento leio um tipo ou outro.

Gostei da cadência e do balanço do texto. A linguagem é uma dança.

Wílliam Venegas disse...

Un abrazo!

Mendonça disse...

O humor afiado e a engenhosidade do António Cabrita nos brindam com esse Ozo, um "escritor" original e, apesar do sotaque lusitano, com espírito bem brasileiro.

Excelente indicação, Anga!

Um abraço

Frederica disse...

Também fui 'linchada" de rir pelo Ozo, Anga. Só não cheguei ao orgasmo por estar tensa, preocupada em não empestiar o ambiente em casa... Bjs

Marcel Zaner disse...

Retrato perfeito de um babaca que eu conheço:

"uma cara encovada
e sem um pêlo para amostra,
como um cu
enfiado em si mesmo."

hehehe

Bjs

Anônimo disse...

Carìssima Anga !
Não sei o que se passa , mas tento adicioná-la e não consigo, já respondi aqui duas vezes, não recebo informação de nenhuma de que o meu comentário ficará sob sua aprovação . Vamos ver , se é desta . Estou-lhe fortemente reconhecido pelos seus comentários que relevo de muito pertinentes . Mas , de facto não faço escrita automatica , procuro esse efeito , às vezes, na abordagem da realidade.. È um truque que pode ou não resultar desconcertante . Nunca sabemos . Mas , sem dúvida que as observações que faz relativamente a ironia ganham pertinência : dar a ver pelo comum e simultaneamente questioná-lo . Dizer-lhe isto não significa que tenha um programa , não tenho . Tenho palavras . Nunca sabemos como é recebido e percepcionado o que fazemos . Ainda bem que assim è .
Na sua poesia , o que gosto é da crítica feroz a linguagem e à evidencia da opacidade no senso comum . È essa desmontagem que surge como um fogacho, e assim sendo ilumina, abrindo brechas que se vão configurando até ao desconcertante efeito final. Trabalho de linguagem sobre linguagem que não resulta neutro, é antes uma desmontagem subversiva . Gosto!!!
UM aBRAÇO
Vamos ver se segue
JRIBEIRO MARTO

guímel disse...

Anga!

Que disposição e coordenação das palavras ritmadas!
Adoro ler-te.

Beijos