domingo, 16 de maio de 2010

Quatorze contos de réis

.

.

1. Quebra-cabeça

.

Ela ruiu por completo, mas aos poucos foi se remontando, como num quebra-cabeça. No fim, faltava uma peça: justo a que a levara à ruína.

.

2. O traidor

.

Toda palavra sua era medida, exata. Os gestos, enfáticos e convincentes. Só o coração destoava, batucando descompassado o desvario a caminho.

.

3. Como convém

.

Sobrevoou a cordilheira movediça dos automóveis. Qual deles o catapultara, não sabia – como convém aos atropelados que têm morte instantânea.

.

4. Meteorologia

.

Olhar pela janela o céu azul causou-lhe um bem estar profundo. Porém, breve. Sua mulher continuava nublada, sujeita a chuvas e trovoadas.

.

5. Hierarquia

.

O canoeiro viu uma pedra que falava. Tratou de embarcá-la e levar para casa. Mas a canoa virou – no rio, que falava mais alto que a pedra.

.

6. Silêncio injusto

.

Ele justificou-se, chorando; caiu de joelhos, suplicando perdão. Mas ela se foi, sem dizer nada, sem sequer aplaudir o seu ótimo desempenho.

.

.

7. Inseparáveis

.

Cresciam juntos, amigos inseparáveis. Aos 3 anos, o menino montou-o pela primeira vez: “Vamos, mano!” E o potro disparou, sumindo no mundo.

.

8. Mau caráter sem jaça

.

Transgressões, cometeu todas. Crimes, só os vantajosos. Morte, uma única – e a contra-gosto: bem que tentou burlar a derradeira lei da vida.

.

9. Notícia boa

.

Ele vinha muito deprimido há tempos. Liguei-lhe, e sua mulher, exultante, deu-me a notícia boa: “Está ótimo, hoje até gritou comigo!”

.

10. Auto-escultura

.

Na lida da extração de cimento preenchia, no ritmo da respiração, o estofo do próprio busto – com a concretude da silicose pulmonar.

.

11. Sorte

.

Certa manhã, Gregor Samsa poderia ter acordado e se visto metamorfoseado num monstruoso inseto. Por sorte, haviam dedetizado a casa.

.

O fim do mundo

.

12. O mundo vai acabar em breve , leu no jornal, às gargalhadas. “Eles falseiam todo dia o ontem, que dirá o amanhã.”

.

13. Beleza e dor

.

Em cada cova, três grãos de milho e um brilhante roubado. O milharal vicejou bonito, mas muita minhoca sofreu para descomer as pedras.

.
.

14. À mercê dos ventos

.

Exausta de tanto caminhar, sentou-se à beira do caminho, à mercê dos ventos que, pouco a pouco, a levariam de volta ao nada de onde partira.

.

.. ¬¬ ¬¬¬ ¬¬ .

.

Leia mais 13 contos de réis aqui, 12 aqui e 11 aqui.

.


27 comentários:

d. disse...

Obrigado por seguirme.
Eu te pongo un link de tuo blog en !La polla en verso! en la sección "Blogsartísticos".
Desde Espanha te seguiré leyendo.
Un abrazo.
d.b
www.lapollaenverso.blogspot.com

Tatiane Lemos disse...

interessantíssimo!

lidia disse...

hola y bienvenida a mi blog!lo unico que suelo pedir es un comentario,de tanto en tanto,solo eso, me ha gustado como escribis,como un oratorio-soy muy mala comentando,no se transmitir mi opinion-y la desinformación selectiva, en todos lados está!
un abrazo,gracias
lidia-la escriba

lidia disse...

comprendo son varias personas en este blog,puess bienvenidas!
un abrazo gracias por seguir mi blog,solo les pido un comentario solo eso!
abrazos compertidos!
lidia-la escriba

Alvaro Dorneles disse...

Muito bons os seus microcontos!

Roni disse...

Adorei o conto sobre a sorte...é lindo...triste...sei-la, dói só de pensar.

Deco disse...

Maravilha, Tuca, esses já cabem no twitter. Genial o do canoeiro e também Auto-escultura.

Luisa Queiroz disse...

Muito bom. Alguns são de arrepiar!

Birgit disse...

Hello!

I would like to thank you for having paid my Blog a visit and become my follower.

I have just done the same; like that we'll be closer.
I am an Art appreciator, so you'll see me around.

Hugs
Birgit

Anga Mazle disse...

Nós é que lhe agradecemos,d. É uma honra o D.S. ser citado pelo seu blog; o Tuca disse que é um dos melhores do gênero. Iremos todos lá para apreciar as delícias literárias que você oferece.

Obrigada, Tatiane. Postaremos por esses dias um trecho do livro que Elza e eu escrevemos, uma paródia de manual divinatório. Quero a sua opinião, nem que eu tenha de ir lá no "Por ti Pra ti" para ouvi-la!

Seja bem-vinda você também, Lidia. Voltaremos - a Elza também já foi lá no seu blos. E deixaremos comentários, pode ter certeza. Se possível, falaremos "PRECISAMENTE DE LO QUE NO SE HABLA"...

Tuca Zamagna disse...

Pô, Álvaro, até que enfim você apareceu para comentar. E obrigado.

É isso que eu sinto também, Roni. Acho que consegui parodiar o Kafka sem destruir de todo o espírito kafkiano.

Nada de twitter, Deco. Sou preguiçoso demais, vou levar uns três anos pra chegar lá.

Valeu, Luisa. Saber que meus continhos são capazes de fazer você se arrepiar já "paga o ingresso".

Thanks, Birgit. Also you'll see me around. I just can't write much, because my English is very very very... TENEBROSO!!! Ask for any neighboring "portuga" what that word means... rsrs… Hugs

Isabel Martínez disse...

Muy hermoso, Tuca.
Me ha gustado encontrarte.
Volveré pronto.
Un abrazo

Driks Barreto disse...

Muito bom seu blog!
Adorei os contos!Vou segui-lo também!
Agradeço sua visita e por seguir-me também!Hj tem um post falando sobre a guerrilha garden,bem interessante vale a pena ler!Abraço.
www.momentosdadriks.blogspot.com
www.badulaquesdadriks.blogspot.com

Celinha H disse...

Tô adorando os seus contos de réis. Mas já ando com saudades das loucuras do Teophanio e das Onisciências.Não dá pra conciliar tudo? Ora, afinal você é pago para quê?

Clara Belisário disse...

Concordo com a Celinha, Tuca. Tem que dar espaço pra galera toda, mas mantendo a frequência de postagem dos contos. Se vira!

Daniela Scheifler disse...

Maravilhosos, adorei!

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Elzamiga & Magna

Conheci-te através do Blog PANORAMA do Amigo Pedrão. Vim ao teu blogue e gostei. Convido-te, por isso, a visitar a Minha Travessa e seres seguidora dela, o que desde já te agradeço.

Que textos fabulosos! Todos. Mas permito-me transcrever este: «Ele vinha muito deprimido há tempos. Liguei-lhe, e sua mulher, exultante, deu-me a notícia boa: “Está ótimo, hoje até gritou comigo!”». Que mais posso fazer do que dar os parabéns?

Desculpa a chatice que te possa causar este ‘tuga desavergonhado e escrevinhador. Também ando pelo Facebook, o que quer dizer que estou aposentado, mas vivo. E tão bem disposto quanto seja possível…

Qjs = queijinhos = beijinhos/ Abs

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

ADENDA

O Tuca é bué da fixe, como dizem os meus netos. Traduzo... bué da = muito; fixe é... fixe!

Tita Nasc disse...

Uau! Tá cheio de gente nova do pedaço. E gente boa, como o Henrique. Fui a Portugal há pouco, dar uma passeada pela Travessa dele... uma delícia!

Mia Liana disse...

hmmm. nice information... relaxing...

Malu disse...

Gostei da sua forma estruturalista dos textos.

Breves frase,poré dizem tudo...

Um abraço

Megan Hawley disse...

This is really beautiful!

gorettiguerreira disse...

Criativo, cultural e humorístico seu kantinho.
Voltarei.
Bjs da Guerreira

Ancia disse...

I don't understand the text but the pictures are inspring! They helped me finish a school-project!

Tuca Zamagna disse...

Isabel, Driks, Celinha, Clara, Daniela, Tita, Mia, Malu, Megan e Gorretti. Gracias, obrigado, thanks a todas. (Acho que vou começar a responder tudo em esperanto, pra não pirar!) Vou convocar todas as minhas plantas (de plástico) e entrar nessa guerrilha, Driks.

Muito aprazível a sua Travessa, Henrique. O conto que você destacou é o único factual: esse diálogo deu-se entre minha mãe e eu. Nos veremos no boteco da esquina da Travessa com o Facebook Boulevard, certo? Queijinhos do "bué de fixe"!

Tuca Zamagna disse...

Good news, Ancia. My blog an I are even needing to go to school ... mainly to learn English and German!

Diario da Fafi disse...

Tuca

Desde Brasil, como son bellas tuas palabras....

grandes besos