quinta-feira, 20 de maio de 2010

Entralhar as malhadeiras

.
.
Dez bobajadas

.
Antonio Rebouças Falcão . . . . . . .

.
1. "Entralhar as malhadeiras": significa costurar redes de pesca na Amazônia, mas também dilacerar-se em raiva aqui dentro de mim, sem razão aparente.
.

2. Minha cabeça me obedece ou obedeço à minha cabeça? Com essa elucubração, mergulhei para dentro da noite, sem nenhum pingo de sono.
.

3. O sonho contado é como queijo que já vem ralado, cuja autenticidade não pode deixar de ser suspeita.

4. A missa certamente é a imaterialidade que se faz rito e verbo, para mais tarde desfazer-se e, novamente, apresentar-se névoa. Na infância, a gente era obrigado a não entender.
.

5. Os cachorros têm, sem sombra de dúvida, muitas virtudes; mas um único e letal defeito: latem. Duas vezes com serventia; nas outras, intragável groselha.
.

6. Fumar gostosa e distraidamente um cigarro, tendo por retaguarda uma criança tagarela e pau-mandado a dizer "fumar faz mal à saúde" firma-me a convicção de que o repressor nasce reprimido; ou por outra: o torturador nasce torturado.
.

7. Quando ouço um "educador", a dois passos de mim, dizer coisas como "há males que vêm pra bem" ou "o pior cego é o que não quer ver", sinto-me honestamente, no mais fundo de mim, um homicida sem culpa e sem pecado.
.

8. Uma fervorosa burocrata da educação é uma senhora de 150 anos e quilos, semianalfabeta e claudicante, que senta à mesa e vocifera: "Quero examinar, em papel, a escrituração errada!". Há um outro tipo: chegou da França e ainda não desfez as malas. Vocifera o que soube de orelhada, mas na tela.
.

9. Com roupas de ginástica, celular, ipod e sorriso de freira, senta-se cansada e feliz, cheia de autoestima e qualidade de vida. Por que essa gente não morre ou desaparece logo? Seria profilático.
.

10. Li em algum lugar algo parecido:
- O que você faz para conservar-se tão jovem e com essa pele de porcelana?
- Bebo gim pouco a pouco e sempre. É o que funciona.

.

¬¬ ¬¬¬ ¬¬

.

Texto e ilustração foram extraídos do blog do autor:

Dilema paulistano

.

8 comentários:

Lilian F Gomes disse...

Vi vc no meu blog.. resolvi visitar aqui para saber quem era e gostei particularmente do que vi.
to seguindo seus escritos!
bejos

Deco disse...

O cara é fera, Tuca. Mordaz e contundente.

Teophanio Lambroso disse...

Não esperava que você me visse, Lilian. Afinal, tenho uma aparência muito discreta, né? Mas sabia que se você entrasse aqui iria gostar. Esse sorriso, essa cabeça inquieta e articulada que conheci lá no seu "Poesia em Prosa"... presa fácil pra nós!

Tuca Zamagna disse...

Se é, Deco. Passe lá no blog dele que você vai gostar muito.

Lupe disse...

Sensacional, Tuca. Cheguei a pensar que era mais um dos seus autores inventados, até ver o link do blog no final da matéria.

Caipirinha da Silva disse...

Gente vcs me emocionam com esse pensamento crítico do corriqueiro.
Eu vivo por isso, e vivo pra ver isso.

obrigada por fazerem esse blog

tô avassalada!

Regina Conde disse...

Muito bom, excelente o Antonio Falcão. Você sempre descobrindo ótimos autores novos.

Tuca Zamagna disse...

Aqui nós não inventamos ninguém, Lupe. Ao contrário, vocês é que nos inventam.

Avassalada??? Que isso, Caipirinha, parece que bebe...

O Falcão é novo mesmo, Regina. Mais até do que eu!