sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Supositório de limão contra a corrupção

¨
¨¨
Tratamento do século XVIII poderia
dar jeito nos corruptos e corruptores¨


.






















¨
O português Luís Gomes Ferreira foi licenciado cirurgião-barbeiro nos primeiros anos do século XVIII. Conheceu o Brasil vindo como médico de frotas mercantes que ligavam a metrópole à colônia. Em 1710, buscando ouro, seguiu para as lavras das Minas Gerais onde ficou por 20 anos, mudando-se constantemente de uma vila a outra. Observador astuto, compreendeu que nas Minas muitas doenças exigiam tratamentos diferentes dos que aprendera em Lisboa. Tratou de se informar não só sobre esses males, mas também sobre ervas e medicamentos caseiros já conhecidos na região, e passou a usá-los, tornando-se famoso pelas curas que conseguia. Retornou a Lisboa em 1731. O Erário Mineral (à direita, reprodução da capa original) foi publicado pela primeira vez quatro anos depois, com as devidas autorizações, da Corte e do Santo Ofício.

Dentre os males que Ferreira conheceu no Brasil e tratou com sucesso estava a então chamada corrupção do bicho, que atacava o reto intestinal e causava muitas mortes. Abaixo, o capítulo do livro dedicado à doença, que inclui a descrição do estranho – para não dizer bizarro – tratamento desenvolvido pelo médico e barbeiro lusitano.
¨
¨























Quem sabe não temos algum médico-pesquisador tupiniquim tão sagaz como o Dr. Ferreira e disposto a adaptar esse eficaz tratamento da corrupção do bicho para combater a corrupção do homem, esse mal que grassa e desgraça (n)este país, atingindo milhões e milhões de brasileiros. E não estou me referindo aos corruptos e corruptores, é claro, mas a todos nós que sempre acabamos pagando o pato. Ou, para ser mais direto, numa analogia bem de acordo com a doença setecentista... tomando no sesso!

¨
Fonte: Erário Mineral / Luís Gomes Ferreira; org. Júnia Ferreira Furtado – Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro; Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2002.
¨
.

10 comentários:

Gervásio D'Araujo disse...

O que cá intriga-me é o que faz N. S. da Conceição na capa deste volume... No mais, antigos hippies de Visconde de Mauá -RJ, aportados nos anos 80 naquela serra, após um período de cultos de Magia Negra em Arembepe - BA, conheciam algumas das propriedades desta potente fruta cítrica. Alguns deles, feitos gurus indianos por correspondência (correios ou astral mesmo...)chegavam a recomendar uma dieta do limão que durava trinta dias e começava com meio limão, um limão, um e meio limão, dois limões até o décimo quinto, quando se fazia o retorno decrescendo na mesma ordem. Os barbudos filhos de Krishna esbanjavam, à época, saúde física e financeira. Imagino que uma vez, a cada dois meses, conforme recomendavam, fizessem tal dieta e já, naquela época, utilizando-se da técnica do Dr. Ferreira, enquanto os outros mortais iam ao Posto de saúde queixarem-se de azias incontroláveis. A propósito, não há alguma referência ao uso de limão galego? O que aconteciam aos peidos que encontravam limão e pólvora? Pode ser uma boa forma de ganhar um dinheirinho exportando esta técnica para a Al Qaeda...

Tuca Zamagna disse...

Obrigado, mestre Gerva, pelas abundantes informações complementares.

Muito bem sublinhada a força explosiva flatulenta da técnica do Dr. Ferreira. Pedirei ao Obama para repassá-la ao Ozama.

Quanto à dedicatória à N. S. da Conceição, o motivo me parecem óbvios. Ela era - notoriamente, pela fé tupiniquim - muito sessuda.

Verinha Curi disse...

QUE SURREALISMO, MEU IRMÃO!!! Parece que bebe!

O Putruca cirurgião-barbeiro contra a corrupção!

Rapidinho vc enlouqueceu, aliás de maneira bem artística e radical!

Tuca Zamagna disse...

Valeu, Verinha!

Nos vemos na quarta, como sempre, no ambulatório do Pinel?

Verinha Curi disse...

Tucão, você mudou o adjetivo do meu comentário. Eu escrevi SURREAL e não RADICAL... Falha sua ou mania de editor imbecíl daqueles que sempre alejam o sentido do texto e se acham "bonitinhos" e encaram o jornal como simples veículo de auto-promoção ???

Saudações antijornalisticas!

Tuca Zamagna disse...

Falhar com você, jamais, Verinha. Foi, realmente, pura mania de editor imbecil, daqueles que sempre alejam o sentido do texto e se acham "bonitinhos", "jeitosos" e "gostosões". E, claro, encaram o jornal ou mesmo o blog como simples veículo de auto-promoção.

Abaixo o jornalismo!

vecuri disse...

COMO VC DESCOBRIU QUE DE VEZ EM QUANDO APROVEITO SABIAMENTE AS QUARTAS FEIRAS P/ UM PULINHO NA CASA VERDE ?
APRENDO DEMAIS COM OS COLEGAS
E TENHO UM AMIGÃO O FOTÓGRAFO WALTER GUELMAN, EXÍMIO FREQUENTADOR, QUE TEM COLABORADO EM "CUSPA TODOS SEUS DEMÔNIOS, MANTENHA-OS A DISTÂNCIA...VÁ DE RETO SATANÁS E.... JORNALISTAS...
COMO TAMBÉM SOU, TENHO QUE FUGIR DE MIM....
EM RELAÇÃO A SUA AUTO-PROMOÇÃO VC ESQUECEU DO "PAPA ANJO" DE ALTÍSSIMA PERICULOSIDADE...
ODEIO EDITORES...QUIÇÁ ESTOU LIVRE DELES TODOS...VIVA A POESIA ,MAS SEM FLORZINHA POR FAVOR!!!!

Tuca Zamagna disse...

Segure o surto, Verinha, e PARE DE GRITAR COMIGO! Sou surdo, e nós surdos odiamos gritos, que lambuzam de ruídos ininteligíveis toda a nossa santa paz da surdez.

Mas cuspir os seus demônios e os do Guelman aqui no blog, tudo bem. Eles serão bem recepcionados pela Neidelane, minha faxineira, e seu infernal aspirador de pó.

Florzinha descartável para você, a jornalista, e para você que foge dela.

Paulinho Saturnino Figueiredo disse...

Sei não, correligionário, pus-me a refletir: fosse isso verdade, nem que parcial, como lhes caberiam nas calças os sessos de Maluf, de Arruda, de Collor o sesso já estaria putrefacto, e de Sarney a bigodeira faria improvável do sesso o uso. Sei não!

Tuca Zamagna disse...

Sei não, digo eu, Paulinho. Creio que esse pessoal aí já pratica, faz tempo, a cessão do sesso.