quinta-feira, 26 de maio de 2011

18 pelos 18 da Raíssa - 2

.

.

Continuamos aqui a postagem anterior, comemorativa dos 18 anos de nossa querida amiga e blogueira Raíssa Medeiros. Era para sair tudo junto, mas fomos assolados por um tsunami de problemas técnicos com o “blogstop”. Raíssa (na foto dupla acima, a de pernas mais longas) fez aniversário na segunda-feira. Para comemorar este importante marco na História da Zona Oeste do Rio, o desinformação seletiva convidou 18 escritores: o andarilho Seu Juca Sem Fio, que foi quem nos apresentou a Raissa há três anos, e 17 blogueiros – entre eles, Suzana Guimarães (a de pernas não tão longas, na foto). Cada texto é ilustrado com uma foto de Raíssa, acompanhada pela foto do perfil do respectivo autor. . (Anga, Elza, Teopha e Tuca)


Vestido em vento

Suzana Guimarães

omedodesuzana.blogspot.com


Vá. Alcance a mochila, deixada ali no canto, aquela que você comprou para alcançar mundos, alheia a bailes, a beijos roubados no portão, alegre por ser qualquer coisa aos quinze, mas qualquer coisa livre, solta, sem amarras, metamorfoseada pelas crianças que dançavam a roda dentro de ti. Vá. O que seriam dezoito anos? A distância entre duas pessoas, a distância daquelas terras à espera ou sinal dos céus, que grita ao seu ouvido? Não sei, eu pouco sei de dezoito anos... mas lhe garanto, a França, você ainda não pisou, mas os franceses podem a ti chegar. O Nepal pode ser um sonho impossível, distante, distante, mas, amanhã, a moça do Nepal desenhará tuas sobrancelhas... Vá. Pegue um caderno, um lápis, dois batons de cor, algum cheiro, vestidos, vestidos, quanto mais ao vento melhor, e vá.

.


Iluda-me . .

Paulinho Saturnino

rindodenervosoainda.blogspot.com

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O raio de sol iça minha alegria

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . na manhã desse Rio

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de eterno verão.

..

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dura pouco.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A dor que uma tal moça

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mossa

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . no velho coração sofrido

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . impede futuro que seja.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A tarde sempre volta

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . caindo pra me lembrar

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . da insanidade contida

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . nos amores eternos.

..

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Moça, mulher,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . anseio pela tempestade

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . que te lavará

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de minha lembrança.

.



Veleidade

Cris de Souza

tremdalira.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . releva a natureza da idade

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . nesse mar de identidade

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . não sou onda que se meça:

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . posso surgir devastando

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ou sumir submersa

.


Indolescência

Marcantonio

diarioextrovertido.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pareciam dezoito minutos,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mas eram dezoito anos,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e de repente fiz-me adulto

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . por engano, uma fraude:

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . trinta primaveras depois

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ainda não nasceu em mim

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a sisuda flor da maioridade.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seria benção essa indolência,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . viver meio século de adolescência?

.



Neverland

Betina Moraes

betinamoraes.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . É meu aniversário,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o corsário do tempo

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . navega novo mar.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tudo está lá

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . já, adiante,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . até o nunca!

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Papel solitário,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . só calendário

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . trafega em segredo.


.

Meus 18 anos meus

Wilden Barreiro

maracasecangalhas.blogspot.com


Eu queria tudo e não tinha nada. Nada. Nem nariz. Usava às vezes o do meu pai, mas principalmente o do meu avô, maior e mais disponível, ainda que sempre entupido. Então eu falei pros botões da minha camisa (que eram da minha madrinha): “Amanhã eu vou fazer 18 anos, e vou fazer pra mim, pra mim e pra mais ninguém.”

Naquela noite, eu gritei que tinha um rato dentro do guarda-roupa. Toda a família entrou na caça ao invasor, munida de vassoura, faca, garfo, serrote, estilingue, detefon... Meu avô, o mais lento, foi o último a entrar no armário, mas de bengala em riste. Quando passei a chave, todos desandaram a gritar, socar a porta, me xingar. Meu pai prometia uma surra especial, minha mãe e minhas três irmãs choravam, meu irmão carola rezava pra São Longuinho (não sei se pro santo achar uma saída ou o rato), o caçula se mijou de medo do escuro, o cachorro lambeu o pé do vovô, vovô pediu uma vela, pra procurar a dentadura que escapara-lhe da boca com o susto que tomou ao pensar que as lambidas do cão fossem do rato. Mas a vela (um cotoco de vela, a única que tínhamos em casa) já estava reservada pra minha festa de aniversário no dia seguinte.

.


Anotações de uma jovem

Rita Santana

barcacas.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Eu não diria a tristeza desse maio.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Haverá tempo para a amêndoa azedar o universo de carmim?

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Os trabalhadores rurais, muito cedo, cheiram a sabonete Solis.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..E a solidão não desce do muro: espia minhas espinhas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E tripudia com minhas esperas.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vivaldi invade de alegria as tardes da memória:

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..– Aos dezoito não se pode ser feliz!

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Desmaio! A noite esmagou a dança dos olhos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E desfez o frio das canoas.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preciso sair para outras ruas,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Poderei morrer amanhã,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Por isso, é preciso que saibam: amei.

.

.

o prazer cálido das manhãs inexistentes

Patrícia Gonçalves

diasgenericos.blogspot.com


. . . . . . . . A maciez da noite cai translúcida

. . . . . . . . tímida ante seu olhar tremulo de moça jovem

. . . . . . . . a alma voa livre para encontrar o amor perdido na madrugada dos tempos

. . . . . . . . seu toque suave insiste na lágrima que molha caminhos

. . . . . . . . dedos ao acaso revelam um amor doído

. . . . . . . . seu olhar jamais volveu ao meu, e no entanto, ainda te busco nos

. . . . . . . . amanhãs que nunca chegam




tempo em chamas . . .

Jorge Pimenta

viagensdeluzesombra.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .pela estrada
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .desci barragens e subi promontórios,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .chovi mágoas e acendi fogueiras
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .deitei-me sobre a terra e corri à beira-mar
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .naveguei artérias e perdi corações
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .anoiteci ao meio-dia e enganei primaveras.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .e, no final, o círculo do tempo
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .encosta o crepúsculo à aurora
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .como se o ontem e o amanhã se ligassem
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .pelo batom de lábios redondos
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .em permanente incêndio.




Velha é a vovozinha!

Ira Buscacio

irabuscacio.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Espelho, que nada!

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Vejo-me de olhos fechados,

.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Inoxidável!

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Na espuma do tempo,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Há essa adolescência

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Incurável.

..
.

O que restou

Marcel Zaner

marcelzaner.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Dos meus dezoito anos,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .passados mais dezoito,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .pouca coisa restou:

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .a ânsia de entender quem eu sou,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .o pé atrás na vida amorosa,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .a incapacidade de ver nexo no real,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .a absoluta falta de fé nesta humanidade

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .endiabrada pelos deuses que cria,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .o medo de ter mais medos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .além dos incontáveis que sempre tive,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .a preguiça, a dureza, a insônia

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .e esta sombra estúpida

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .que me segue feito um cão

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .e morde meus calcanhares,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .como a dizer: “Cresça, cara,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .para que eu apareça!”

.

...
.
.

Novas veredas

Márcia Luz

marcialuzmg.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .do desconhecido sei pouco

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .mas vou deixando os olhos se descarrilarem

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .pelas paisagens de açucenas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .é que um dia chega a hora de os pés.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... .t

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . .. . ... .ri

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . .......... . ... .. ... lh

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... ;..... . .. a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . ...... . . re

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . ......... m

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .............. novas veredas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . sobretudo na tenra e terna idade

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . viver é

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (o)posição (s)em mudança

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Empresto meu corpo às armadilhas do óbvio.

.


Com Memorar...

Pólen Radioativo (Adriana Araújo)

polenradioativo.blogspot.com


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Este ano vou brincar de contar a idade que eu tinha

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Quando minha maior aventura era fugir pra outra rua

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Ou aquela quando me flagrei envergonhada menina

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Ao sentir o gosto da minha mão esbarrando na tua.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .A existência tem a medida do que dela não se furta:

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Em cada luz que assopro, acendo no passado a alegria.


.
.

Asas de fruto do mar

Seu Juca Sem Fio

(Recados, no bar do Luís, em Vila Valqueire, Zona Oeste do Rio)


Quem é de andar... anda / . e anda com ou sem as pernas, / . que o único entrave é o talho / . nas córneas d’alma, mal querência do fio / . do maldito horizonte comum.

Por isso, poucos andam, de fato, / . embora muitos pensem que sim, / . que andam, que caminham, que vão / . rumo aos rumos não-circulares / . vedados a eles, pobre diabos que / . apenas rodam a passo mecânico, / . ponteiros de relógio que são.

Ah, quem anda mesmo encontra o chão / . e, no chão, até o que é dos ares e das águas. / . Como essa moça que outro dia eu vi menina / . a saltitar pelas areias do céu de Bangu / . e a me gritar, bem lá da esquina / . de Vega com Aldebarã: – Ei, seu moço, / . aceita umas asas de fruto do mar?

Eu sorri, e lá veio ela atrás de mim, / . a me chover, por mais de légua ou légua e meia, / . uma garoa luminosa infinita de conchinhas / . que catava com os olhos alumbrados / . e pelo coração cuspia no mundo.

.

Os quatro textos postados anteontem – de Ana Jácomo, António Cabrita, Jenny de Paulla e Assis Freitas:



Ana Jácomo

anajacomo.blogspot.com

Indagada, na entrevista, sobre aprendizados do tempo do casulo, a borboleta silenciou, movimentou as asas delicadamente, olhou para a margarida que acabara de abraçar, e sorriu. Contemplativa, revisitou na memória a atmosfera de alguns sentimentos que a pergunta lhe fez acessar. Findo o passeio, respondeu à repórter:

– Houve um momento em que o aperto foi tão extremo e aflitivo que eu imaginei não conseguir suportar. Eu nem sabia que, exatamente naquele ponto, a natureza tecia asas para mim, em silêncio, mas foi lá que senti que eu era feita também para voar. O aperto, entendi somente depois, era uma espécie de morte, um prenúncio da transformação, uma ponte que me levaria a outro modo de ser.

“É uma satisfação participar dessa homenagem. Toda felicidade para a Raíssa, que possa e saiba desembrulhar belos presentes ao longo do caminho.”Ana Jácomo

.


O Coração maior que o Mundo

António Cabrita

raposasasul.blogspot.com

Ter aos 18 anos o coração maior que o mundo, diz o meu amigo de 19, é
uma “dramatulugia do caraças”, e os trens enamoram-se dos girassóis e
o silêncio apresenta-se dopado na linha de partida. Foi aos 18 que o
Plutarco afirmou ter visto uma lebre que mudava de sexo em plena
corrida. Há que dar passos maior que a perna e evitar que o coração
fique entalado no quarto – que pelo menos tenha tantas teclas como o
piano onde a Alice escondia os burriés. O resto é fado, mas nesta
dramatulugia quem não se estampa fica espampanante. É uma ulugia do
caraças, ainda que quem não raíssa não saiba.





Oficina

Bípede Falante

bipedefalante.blogspot.com

Desenrola os panos e os contornos para desvendar labirintos. Desenrola devagar, girando os punhos e as pulseiras como quem dá corda em relógios, provando da textura e da essência de cada segundo. Desenrola os ponteiros. Desenrola as horas. E, de cada uma, retira o anti-horário de acarinhar memórias. Depois levanta, salta, rodopia. Vai brincar de grão, calendário e aço, confundir as datas e as bússolas de quem se permite uma existência de abalar palavras.




Metamorfose apoteótica

O ritual de passagem do Livro dos Recém-Vivos

Jenny Paulla

jennypaulla.blogspot.com

. . . . . . . .Vista o eu com um punhal

. . . . . . . .E rasgue o caminho pela floresta sombria

. . . . . . . .Deixe-se levar pelos sons que tilintam de vasilhas penduradas em arames

. . . . . . . .Distantes

. . . . . . . .Feche os olhos Respire

. . . . . . . .Abra com calma o grande livro

.

. . . . . . . .Não tente lembrar todas as línguas que aprendeu na torre dos céus

. . . . . . . .Agora criará sua língua santa Imutável e despida de glorificações

. . . . . . . .Fará o ritual dos 18

. . . . . . . .E se embriagará com borboletas furta-cores, desenhos surrealistas e fractais

. . . . . . . .Afundará os pés descalços na terra molhada e sentirá a pulsação

. . . . . . . .Que floresce e emana das profundezas

.

. . . . . . . .Corra até perder todas as forças e chore pela dor que lateja

. . . . . . . .Anistia de todos os jazigos carregados

. . . . . . . .Largue-se

. . . . . . . .Completamente crua

. . . . . . . .Calmamente suculenta

. . . . . . . .Metamorficamente sua






poema de sedução para descaminho e descarrilo

Assis Freitas

mileumpoemas.blogspot.com

. . . . . . . . . . . . . . . . supostamente já tive idades mais queridas

. . . . . . . . . . . . . . . . em que sorriam verdes os lábios meus

. . . . . . . . . . . . . . . . o mundo era feito de alvíssaras

. . . . . . . . . . . . . . . . e eu nem tinha coração para imaginar


. . . . . . . . . . . . . . . . a sedução de tantos erros

. . . . . . . . . . . . . . . . na insólita passagem dos anos

.


58 comentários:

Tuca Zamagna disse...

¨ ¨ ¨^v^ ¨ ¨ A T E N Ç Ã O ! ! ! ¨ ¨ ^v^ ¨ ¨

NAS DUAS POSTAGENS EU ESQUECI DE INFORMAR O ENDEREÇO DO Balela!, O BLOG DA RAÍSSA:

pirilampooos.blogspot.com

Marcantonio disse...

Rapaz, só de pensar na trabalheira que essa postagem deve ter dado, eu já me sinto cansado, mesmo em pleno vigor da indolescência...

Mas ficou ótimo, memorável, valioso!

Grande abraço!

Ps. Ah! Obrigado pelo chapéu chapliniano (quer dizer, espero que não seja o do Alex do Laranja Mecânica). Sempre quis usar um, mas sou tímido para fazê-lo. E essa coincidência rubro-negra dos chapéus é excelente.

Tatiana Moreira disse...

Que festa maravilhosa!
Adorei a critividade de todos os convidados!
Parabéns Raíssa! Que você seja muito feliz!
Um abraço carinhoso

Bípede Falante disse...

Tuca, seu danado, nunca ri tanto por causa de um aniversário. A Raíssa deve estar se divertindo muito com essa homenagem aos pedaços, servida em fatias de blogs. Demorou para servir o bolo inteiro, mas ficou bárbaro! :)
beijo.

Ri disse...

Eu nunca poderia esperar coisas tão bonitas de uma vez só, só pra mim. Quero carregar todos os textos comigo, mostrar pra todo mundo! São pra mim!!! Fico relendo... Relendo... E cada vez me parecem mais intensos, conquistaram-me inteiramente.
Nenhum presente chegará aos pés desse.
Eu, derretidinha manteiga, quase causo um curto no teclado com as minhas últimas visitas ao blog mais bonito da internet.

Beijos para todos.
Agradeço toda essa lindeza dedicada ao aniversário de uma velha menina velha.

Tania regina Contreiras disse...

A Raíssa faz anos e a gente é que ganha o presente: tanta gente boa junto, nessa aramação divertida!
Parabéns a Raíssa e à turma toda.
beijos,

Clara Belisario disse...

Meninos, que posts (os dois, claro) maravilhosos!!!! Densos, líricos, criativos, engraçadíssimos.

Um beijo carinhoso e risonho para a Raíssa, essa musa tão limda e especial. Os olhos mais bonitos e expressivos da blogosfera!

Wilden Barreiro disse...

valeu o sacrifício de enfrentar as agruras que o blogger lhe aprontou, Tuca.
resultado finíssimo, grandioso.
difícil mesmo, agora, vai ser eu escapar da mão hábil da RAÍSSIMA em que você me meteu!
abraço

Bípede Falante disse...

Está mesmo super zamagna o aniversário da Raíssa :)

♪ Sil disse...

Nossaaaaaaaaaaaa

Que festa boaaaaaaaaaa!

Raissa fez aniversário, e a gente que ganhou esse presente lindo.
Tanta gente boa que fiquei foi feliz!

PS: Tem bolo ainda?

Um beijooooo!

Rita Santana disse...

Parabéns, Raíssa! Tuca, ficou lindo demais. Obrigada pela chance de rever sentimentos de uma idade tão adorável; foi uma verdadeira (e longa) viagem nas agendas. Elas existem! E que a Musa viva muitos anos para nos presentear sempre com tanta originalidade. Beijos aos aventureiros hábeis que mergulharam.

Assis Freitas disse...

homenagem RarÍSSimA essa. Completa em múltiplas IdentiDADES,

abraço parabéns à Musa

Adolfo Payés disse...

Que disfrutes del fin de semana .. siempre es un honor pasar por tu espacio..

Un abrazo
Saludos fraternos.

Paulinho Saturnino Figueiredo disse...

Lindo. Encantador. Fiquei maravilhado com a inspiração que a Raíssa exala. Eu já o sabia, de há tanto, mas acho que me intimidei em minha modestíssima colaboração. E era só espalhar Raíssa no oeste-leste do papel, mesmo se papel de vidro e brilhos. Acho que mais inalei que espalhei suas poeiras de pirimpimpim. Iludi-me tentando iludí-la, tolo que sou, velho que sou, fui esquecer-me de que, no dicionário dos encantos, 18 aninhos é sinônimo perfeito de eternidade. Olho as várias versões de seu semblante único, e o coração só consegue balbuciar: - sejafeliz, jovem mulher, a vida é sua, e você merece!

CUCA BOA disse...

nossa! tô só
imaginando a trabalheira...

mais valeuu a pena
td lindO...
parabéns raíssa

meus bjs
(nate)

Suzana Martins disse...

Postagem linda e incrível.

Adorei a festa, vim a convite da Suzana/Lily.

Parabéns...

beijos

Lily disse...

Estou lendo os textos aos poucos. E estou fascinada com a beleza de todos, uma festa de palavras colhidas com extremo carinho para uma menina muito linda, dona dos olhos mais expressivos que vi nos últimos tempos.

Olhos de engolir o mundo.

Beijos,

Suzana/LILY

Márcia Luz disse...

É, Tuca, está mesmo um trabalho belíssimo! Foi um grande presente, para a Raíssa e para todos nós.

Quando eu fizer 18 anos (pela terceira vez), também vou querer um presente assim. Mas fique tranquilo, você terá tempo de sobra e nestes muitos anos o Blogger descobrirá como não ser tão instável.

Um beijo a você, a toda a equipe do Desinformação Seletiva e, óbvio, à aniversariante mais que especial!

betina moraes disse...

ficou maravilhoso!!!!

tuca, você é demais!

felicidades para a querida raíssa...

beijos

Long Haired Lady disse...

que festa mais linda! presentes inesqueciveis!

você tem a vida inteira para não se arrepender…segue!

Cris de Souza disse...

uma festa regada à prosa e poesia só podia dar em arte das boas, ficou um luxo!

adorei participar deste evento memorável.

beijos em todos envolvidos, especialmente na raíssa, nossa musa inspiradora.

Marcel Zaner disse...

Imaginava que eu participaria de uma grande festa, mas vocês excederam. Um show, a postagem mais luxuosa que já li. Parabéns pra vocês, que a Raissa já ganhou TUDO!

Quem tal repetir a dose nos meus 36 que vem aí?

Vera Andrade disse...

Maravilhoso, Tuca. Os textos, as "fotos", os olhos onipresentes da Raíssa!

Viva ela!!!

Beijos

Vera Andrade disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Patrícia Gonçalves disse...

Tuca, ficou lindo!!!!!!!

Amei! Parabéns aos dois! A você pela linda homenagem e a Raíssa, musa inspiradora de todos nós!

Os textos estão ótimos, obrigada pelo convite, fiquei honrada!

Raíssa, querida, aproveite os 18, eternize-os nos sonhos, na energia, na esperança, no tesão à vida!

Um beijo grande aos dois!

Frederica disse...

Antológico, pessoal!!!

Além da qualidade dos textos, as ilustrações por si só já valiam um post... vários posts. Lirismo e carinho mais humor é uma mistura imbatível.

Parabens à Raíssa, a vocês quatro e a todos os autores, principalmente o Seu Juca Sem Fio, pelo poema maravilhoso.
Bjs

Antonio Alves disse...

Raíssa tem mesmo de estar toda derretida, o presente é fantástico. Conheço e admiro a maioria desses escritores, tudo gente boa e muito talentosa. Das ilustrações não vou nem falar. Isto é, vou sim: simplesmente geniais!

Abraços

¨Celinha H disse...

Extasiante, Tuquinha!

Textos e imagens à altura da homenageada. Digo isso porque já conheço bem a Raíssa. Esses belos grandes olhos dizem (e querem e merecem!) tudo...

Beijo

Rita Santana disse...

Anga, obrigada pela visita!Não deixe de percorrer postagens anteriores. Estou muito contente com a loucura que vocês aprontaram. Parabéns por tudo isso que vocês criam e, dessa vez, o envolvimento foi afetivo, coletivo, inusitado e surpreendente. Uma aniversariante se transformou em A ANIVERSARIANTE de todos nós. Agora o seu destino nunca mais nos será indiferente; isso é bom.

Carla Fernanda disse...

Boa noite!
Passando para uma visita de sexta-feira.
Saudações,
Carla

♪ Sil disse...

Tuca meu bem!

E não é que eu já estava colocando até o FBI atrás de você??
Té kim fim vc apareceu.
Nem me fale nesses problemas de blog, que eu tbm ando surtada com esses acontecimentos por aqui.
Agora sumiram os seguidores de tudo que é blog, reparou? hehehehe, isso parece mandinga.
A festança da Raissa ficou lindaaaaaa que só, tanta gente boa escrevendo, que como disse o presente foi nosso.
Raissa merece!!
No mais, vou te mandar um email. Novidades!

Um beijooooooo e some não!

Thiago Thi disse...

O time de autores é tão bom e as fotos tão deslumbrantes que nem dá para destacar nada. Só posso agradecer o prazer de ler essa belíssima homenagem e aplaudir: CALAP! CLAP! CLAP!
Abraços

Aline Chaves disse...

Nem tenho palavras, Tuca. O que consigo dizer é que são postagens como esta que fazem do Desinformação Seletiva o meu blog predileto.

Beijos pra Raíssa e para os quatro!

Jorge Pimenta disse...

salvé, tuca,
confesso que não escondi uma certa apreensão quando, no início da semana, e passando por cá, me deparei com um adiamento sine die. imaginei, num primeiro momento, que estivesses com dificuldades em escalar o time :), mas, quando mais tarde encontrei algumas velas de aniversário sobre o bolo, percebi que estavas apenas com problemas em conjugar o arrojo do presente com a linguagem caprichosa do blogue. ontem, já tarde, quando por cá passei de novo, vi todos os convivas em redor da mesa a homenagearem a raíssa, num cântico que, sob a batuta do maestro tuca, me soou afinadíssimo. bravo!
mando, desde este lado do atlântico, um abraço pata ti e um beijo de aniversário para a raíssa, a razão de toda esta inesquecível sinfonia!
p.s. descansa agora, meu caro amigo; afinal, só daqui a um ano voltas a sentar toda esta gente [e mais um] em torno da mesma mesa :)

raisuna adimar disse...

há blogues com muy espaço

e espaços com muytos blogues

Ira Buscacio disse...

Tuquinha queridão! Cheguei com atraso na festa, mas papai blogsputo (adorei isso, lá na Sil!) não queria deixar. Tive que da uma paulada na cabeça dele e fugir. É que a casa tava num caos tremendo, até pensei que fosse ser expulsa, mas agora a maré ta mais calma.
Chique demais essa homenagem, a Raissa é uma graça, viva, olho de Emília. Amei o convite e o resultado! 17 feras, heim! Fiquei até com receio, mas ficou tudo mt lindo!
Parabéns a vcs, inventores, participantes e RAÍSSA

Pólen Radioativo disse...

Tuquinha...
Isso é que é folia, e das melhores que há de se ArMAR!!!


Um beijão, amore!!!

Jose_Kunita disse...

HOLA, BONITA (Y AMIGOS). SI NO TE IMPORTA, VOY A SENTARME EN LA PLATEA DE TUS SEGUIDORES PARA PODER VER MÁS DE CERCA LO Q’ TIENES PARA DECIR ..
P.D. EL PRÓXIMO 31 DE OCTUBRE TE ESPERO EN “EL HECHIZO” ;)
BESO.

Teophanio Lambroso disse...

Juntei aqui os quatro textos postados na terça-feira, tentando minorar a lambança que o Tuca fez.

Ah, o que seria do DS sem a minha excelsa participação...

Lupe disse...

Que presente maravilhoso para a Raíssa e todos nós, leitores, queridos!
Beijos

Deco disse...

Que festão de poesia e humor!

Parabéns Raíssa, parabéns, equipe do Desinformação Seletiva!

Abraços

Elisa Flores disse...

maravilhosa postagem!
criativa, sensível e bem humorada como todo o teu blog

parabéns à bela Raissa!

Thiago Quintella de Mattos disse...

Intenso e emocionante! Ah meus 18 anos! Parabéns Raíssa, que felicidade receber esta homenagem. E ainda lerei os outros textos e verei as fotos. Não aguentei e vim escrever logo!

ADiniz disse...

A Festa

vestidos, vestidos,
quanto mais ao vento melhor,
e vá...
...
na manhã desse Rio. . . . . . . . . . . . . de eterno verão.
...
releva a natureza da ida...
...
por engano, uma fraude:
...
.o corsário do tempo
tudo está lá...
já, adiante
...
“eu queria tudo
e não tinha nada
eu gritei
...
Preciso sair para outras ruas”
...
tímida ante seu olhar tremulo de moça jovem
a alma voa livre
...
pela estrada
o círculo do tempo
como se o ontem e o amanhã se ligassem
...
Na espuma do tempo,
...
a ânsia de entender quem eu sou,
...
.mas vou deixando os olhos se descarrilarem
viver é. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (o)posição (s)em mudança
...
A existência tem a medida do que dela não se furta:
...
que o único entrave é o talho
...
Houve um momento em que o aperto foi tão extremo e aflitivo
...
O Coração maior que o Mundo
...
Desenrola os panos e os contornos para desvendar labirintos.
...
Feche os olhos Respire. . . . . . Abra com calma o grande livro
...
a insólita passagem dos anos

)))))))))))------------ ufa

Parabéns Raissa
Pelos 18 Anos
Pelos 18 Amigos ...
E como percebi o quanto cada um tinha tanto pra lhe dizer fui metida fragmentando cada poema fazendo uns sândis aberto pra sua festa... já que vi que a Suzana trouxe uns deliciosos docinhos.

Abraço menina.

francys disse...

Gostei da brincadeira(me lembrei do baby da familia Dino quando ele falava: faz "dinovo" dinovo ehehheheh).

Parabéns Raíssa.

Breno Melo disse...

Olá, Zamagna! Que bom encontrar o seu blog! Gostei bastante dele!

Vejo q tb há poesia aqui, o q é sempre bom!

Tenham um ótimo dia! ;)

Valéria Sorohan disse...

Festa bacana, com gente divertida.
Adorei!

BeijooO*

Maria Luiza Silva disse...

Linda postagem, criatividade nota 1000, parabens a Raíssa que continue sempre merecedora de postagens como esta, parabens a quem montou este blog,estupendo.

Luis Paulo Quintela disse...

Excelente, Tuca. Tudo: os textos, as ilustrações e a presença exuberante da Raíssa.

Abraços

Luísa Queiroz disse...

Tuca, saudades!!!

Como é bom voltar aqui, depois de meses, e encontrar o blog maravilhoso como sempre. Que postagem linda, só fera escrevendo e a Raíssa na berlinda, viva ela!

Beijão

A Sombra Invisível disse...

ASSOMBROSO!!!

assombraços!

Regina Conde disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Regina Conde disse...

A Raíssa é iluminada. Só mesmo iluminados podem ganhar (e valorizar) um presente espetacular como esse, Tuca. Parabéns a ela, a você e a todos os escritores participantes!

Beijos

Hoppalaaa disse...

http://para-internet.blogspot.com/

Make Online Money !! 10 000 dollar

Americo Gentil disse...

Grande idéia, excelente resultados.
Os textos são ótimos, as imagens belas e divertidas.
parabéns à "velha menina velha"!
Abraço

الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

18 noves fora nada

Elza Magna disse...

Caro الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول
باهظة الثمن

Os textos devem ser lidos da esquerda para a direita.

Bjs

Marcelo Portuária disse...

O tempo passa como um raio furtivo; avança feito o mar. Seu limite de existencia é vazio e opaco; suas cores são cinzas e discretas.
Seguimos nosso caminho levando o que encontramos, deixando pela estrada um ou outra pegada, derrubando muralhas.
A maturidade é areia ao vento.

Bela postagem.

Marcelo Portuária

Visite: alfarrabiosdeoutrora.blogspot.com
cidadaniadoscapitais.blogspot.com