quinta-feira, 21 de abril de 2011

Lula à Presidenta - 2: O preparo

.

Enfim, eis a nossa fantástica receita para fazer um delicioso prato de lula à milanesa substituindo o molusco cefalópode por luvas de cozinha. Como informamos na postagem anterior, tivemos um pequeno probleminha com nosso parceiro Teophanio, que precisou ser internado numa UTI depois de ingerir algumas garfa.das da excelsa iguaria criada por nós.

Queremos tranqüilizar a todos vocês, nossos queridíssimos leitores: as luvas de borracha passam bem. Já o Teopha, está meio tonto como sempre, mas já deixou a UTI, onde foi comprovado que seu delicado estado de saúde nada tinha a ver com uma possível indigestão causada pelas luvas. Os exames constaram que seu sangue apresentava elevadas dosagens de groselha, querosene, creolina e álcool gel. Parece que o vinho que compramos para acompanhar o prato não era dos melhores.

E vamos à receita:

Lula à Presidenta

Ingredientes e apetrechos

– Um par de luvas de cozinha. (À venda nas melhores lojas de R$1,99. Pra economizar mais um pouco, você pode usar esse par que tem aí na sua cozinha, essa nojeira que já devia ter ido pro lixo há tempos, né não, colega?)

– Um ferro a carvão. (Os elétricos têm custo direto mais baixo, porém andam consumindo mais árvores: as milhões que são submersas na construção das grandes barragens hi.drelétricas. É mais cristão queimá-las que afogá-las, certo?)

– Dois ovos. (Os do maridão não servem, querida. Se já os colheu, congele-os, para serem aproveitados em receita a ser postada em breve: Ana Maria à Braguilha.)

– ½ kg de farinha de rosca. (Sua rosca não passou no teste da farinha? Não tem problema. Guarde-a para a mesma receita com os ovos masculinos, não necessariamente no mesmo saco.)

– 10 kg de alho. (Mão pesada na hora de adicionar o alho. É ele que apura o sabor da lula fake, abafando eventual gosto de borracha queimada.)

– 200 g de manteiga francesa Président. (À venda nas melhores delicatessens de 1,99 euros. Se precisar baixar a taxa de colesterol, aumente a taxa de juros, substituindo a manteiga por Mantega.)

– Três garrafas de vinho paraguaio El Vinagrero, tinto. (Para evitar constrangimento com algum convidado mais frescalhão, baixe pela internet, imprima e cole na garrafa um rótulo de Roma.née.- .Conti.)

M.odo de preparar

. . . . . . . . . Elza – Eu coordeno os trabalhos, certo? Teopha, vá lavar as luvas lá no tanque. Tuca, leve o ferro pra encher de carvão. Anga, vá descascar alho.

. . . . . . . . . Anga – Oba!

. . . . . . . . . Tuca – Eu, sempre levando ferro.

. . . . . . . . . Teopha – Vá lavá as luvas lá.??? Tipo assim, Ivo viu a uva da véia?... Buchicho de baixinho no bucho da Xuxa?

. . . . . . . . . Elza – Lave as luvas e tudo isso bem lavadinho, Teopha. E depois você mesmo vai fatiá-las.

. . . . . . . . . Teopha – Devo calçá-las antes de meter o fa.cão?

. . . . . . . . . Anga – Não!... Você sabe que não como carne vermelha.

. . . . . . . . . Teopha – Vermelhas são essas luvas. Minha carne é alva e saborosa como minha alma. Sou um badejo melhorado.

. . . . . . . . . Tuca – Cadê o fio da tomada do ferro?

. . . . . . . . . Elza – Não falei que o ferro é a carvão, i.di.ota?

. . . . . . . . . Tuca – Vamos churrascar as luvas?

. . . . . . . . . Elza – É só seguir os passos na ilustração (acima) .que o Teopha fez. Você tem de passar as luvas para esticá-las bem.

. . . . . . . . . Teopha – Pega leve, Tuca. Se esticar de mais vão ficar a cara do Sílvio Santos.

. . . . . . . . . Elza – Tá abrindo esse vinho pra quê?

. . . . . . . . . Teopha – Pra encher a cara, ora. Ou você imagina que eu vá gastar vinho pra lavar a luva véia da vulva do Ivo?

. . . . . . . . . Anga – Teopha, você está bêbado!

. . . . . . . . . Teopha – Claro que estou. Alguém tinha de fazer o sacrifício de tomar uma garrafa inteira desse vinho vagabundo para experimentar.

. . . . . . . . . Tuca – E que tal.?

. . . . . . . . . Teopha – Querosene do bom, cara. Chato é o gosto de groselha e o cheiro de creolina.

. . . . . . . . . Elza ­– Pois bem, Teopha, poupe as outras duas garrafas do purgante, que são para acompanhar o prato. Agora, pessoal, já esticadas e picadas as luvas, tem de temperá-las e passá-las nos ovos.

. . . . . . . . . Tuca – O Teopha faz isso, que os meus têm alergia a luva de borra.cha muito temperada.

. . . . . . . . . Teopha – Tô fora. Os meus são alérgicos até a peitos de silicone caramelados.

. . . . . . . . . Elza ­– Não é nos de vocês, seus pacóvios. Tem de passar é nos ovos da galinha!

. . . . . . . . . Anga – Sabia que ia sobrar pra mim...

. . . . . . . . . Elza ­– Teopha, espalhe a farinha no prato. Tuca, pegue a manteiga francesa.

. . . . . . . . . Tuca – Nosso último tango em Paris, Elza Schneider?

. . . . . . . . . Elza ­– Tolinho. Dissolva logo a manteiga na frigi.deira pra fritarmos a petisca.da.

. . . . . . . . . Teopha ­– Ululalá! Petista.da frita!

. . . . . . . . . Anga – Petis-CA.-da, Teopha. As petistas que lhe dã.o mol.e já estão mais do que fritas.

. . . . . . . . . Teopha ­– Que isso, Anga! Todo mundo sabe que sou super--fi.el a todas elas.

. . . . . . . . . Tuca – Essas luvas fritando têm um cheiro tão brabo que até as canalhices do Teopha estão me cheirando bem.

. . . . . . . . . Elza – Psiu! Fale baixo senão os leitores podem acabar não aprovando totalmente a nossa receita.

. . . . . . . . . Teopha ­– Claro que eles vão aprovar. Eu quero até acrescentar que, caso alguém não encontre no..mercado as luvas de borracha, elas podem ser substituídas, sem qualquer perda de qualidade, por duas dúzias de camisinhas ou um par de havaianas usadas.

. . . . . . . . . TODOS – Vão nessa que é quentíssima, leitores. E bom apetite!

27 comentários:

Izabel Lisboa disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Êita suruba!!! E a Elza só administrando os TRABALHOS!!!
Não como esse troço nem a pau! Ou melhor...dependendo do dito cujo eu me entrego ao sacrifício...
Dúvidas sobre a Receita (não a Federal):
1) tenho um par de luvas em casa, mas são azuis, posso usá-las? ou azuis servem somente para as Receitas do tucanato?!
2) Passo o ferro antes, depois, ou durante toooooodo o PROCESSO?!
3) as camisinhas, como as havaianas (moças nascidas no Havaí, certo?!), também podem ser usadas ou semi-novas?!
4) Quero deixar claro ao Teopha que NÃO SOU PETISTA, mas a gente pode negociar...dependendo da MENSALIDADE!!!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Amei esse trem!!! Beijos!!!

Jaime Guimarães disse...

Mas faltou o Yo-gurte. Yo-gurte é adorado pelos búlgaros, que utilizam a iguaria como base em muitos pratos. No entanto quero crer que não tem Yakult, digo, You-gute porque a Bulgária - segundo Campos de Carvalho - non ecsiste!

Ferro a carvão minha vó utiliza até hoje! "Meu filho, com esses apagões todos, melhor usar carvão, vai por mim, esse povo fica aí atrás de energia nuclear e hidrelétrica, carvão é a solução!"

Eu convidaria FHC do C para provar dessa iguaria aí. Se o ilustre pavão sociológico já foi até no ESQUENTA da Casé ( cru-zis!), chegou a traçar buchada de bode e afirmou "ter um pé na cozinha", Lula à Presidenta seria muito bom pra ele, sabe?

Abs!

Assis Freitas disse...

essa gororoba vai entrar num cardápio cult, pós-new-cuisine


abraço

Vera Andrade disse...

Deliciosa receita, um manjar para os espíritos de porco como eu.

Um torresmo d'alma pra vocês, cambada de doidos apetitosos!!!

Wilden Barreiro disse...

'Minha carne é alva e saborosa como minha alma. Sou um badejo melhorado.'

é sempre uma bênção dos infernos poder tomá-lo em drágeas, mestre Teopha.

nobre matéria, amigos.
um salseiro desses justifica tudo, até a vida!

abraços

♪ Sil disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk sem comentários.

To roxaaaaaaaaa de rir kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Beijooo

Thiago Quintella de Mattos disse...

Eu vi toda a cena, pelos diálogos! Sensacional!

Roberta Mendes disse...

Elza, eu que já sou fã da tua escrita irreverente e iconoclasta adorei ter acesso à voz mais intimista com que comentaste o texto lá no Palavra em Fuga. Seu comentário arremata o texto e arrebata reflexões.

Obrigada por compartilhar de sua inteligência exuberante com os da rede.

Abraços,
Roberta

Raquel Amarante disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

FantásticO!!
Adorei!!!!!

BJOS

Deco disse...

DESESTRUTURANTE!!!

Vocês quatro, cada um por si, já são terríveis. Juntos, dá nisso, esse show de criatividade, humor e iconoclastia.

Tô rindo até agora imaginando o Teopha bêbado fatiando os dedos dentro da luva... a luva esticada como a cara do Silvio Santos!

Abração

Tita Nasc disse...

Elza, Elza, Elza...

O que eu faço com vocês? O que eu faço sem vocês?

Sei lá. Sei é o que vocês fazem comigo.

Já to chegando nos 40 (não espalha, que eu digo que tenho 27). Daqui a pouco, ou paro de ler vocês ou só leio de fraldão...

Beijos para os quatro!

Marcantonio disse...

Até tentei fazer a receita, mas esse negócio de luvas, como as lulas, tem ponto de cozimento complicado, ficaram com a consistência de mangueira de jardim.

Vocês não teriam aí nenhuma receita alternativa com outro molusco não? Algo com povo, digo, polvo, por exemplo. (Sim, sim, confesso, tirei esta de um filme-cabeça (!) do Arnaldo Jabor, um tal de "Eu sei que vou falar e falar" ou coisa parecida).


Abraço.

Maria Janice disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Maria Janice disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Maria Janice disse...

Confessem, confessem: o prato é servido à PresidentA, sob a falsa promessa de se tratar de uma espécie de isotônico, ou seria uma espécie de biotônico? hummm vcs são da oposição, não são? fazendo ela papar do próprio lula-veneno?

Anônimo disse...

deu show de bola, ou show de lula! e entrevejo aqui uma hipótese para o brasiu voltar a ser campeão de futebol: substitua-se a bola pela lula. o golo como uma reminiscência da lula!
também acho acertadíssima a substituição das luvas pelas camisinhas, não só porque aí qualquer cozinhado ganha em aroma, como também porque em Moçambique a camisinha se chama Jeito. E com Jeito tudo vai! bjos Cabrita

Aline Chaves disse...

Sensacional, Elza!

Essa culinária Lavoisier radical promete.

Tenho umas tralhas pra jogar fora (roupas, sapatos, placas de isopor, sacolas e caixas de todo o tipo, canetas entupidas, relógio parado, etc.) Se incluirem dessas coisas em alguma receita, me avisem pra eu guardar.

Beijos

Americo Gentil disse...

Como prato, confesso que a receita não me atraiu muito não.

mas é um santo remédio. Curei minha ressaca de tanto que rir!

Abraços gerais

Mari Amorim disse...

que a reflexão,lhe traga renovação diariamente,Feliz Páscoa pra você,familia e amigos!
Boas energias,
Mari

Tatuagem disse...

Adoro receitas!

:)

Carla Diacov disse...

ahahahahaha....
inda me borrando do post abaixo!!!



beijos!

Regina Lemos disse...

Se soubesse dessa receita há mais tempo, eu a teria preparado para um certo indivíduo insuportável que veio almoçar aqui em casa no domingo passado. Tenho certeza que ele ia adorar, porque é uma tremendo chato de galocha. Ainda existe galocha? Seria uma boa opção também, em vez das luvas...

Beijos, Elza, Tuca, Teopha e Anga!

Marcel Zaner disse...

rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsr

e também kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkk

abração

Frederica disse...

Cozinhando na panela de pressão, talvez dê pra substituir as luvas por bobs, Elza.

Hilário todo o post!

Beijos

Anônimo disse...

Adorei!Vou fazer e depois comento!rsrsr
Bjs
Regina Almeida

Klotz disse...

N asemana que vem farei um jantar familiar para minha sogra. Julgo que o cardápio sugerido é ótimo para a ocasião.
Tenho apenas uma dúvida quanto à cor das luvas. Podem ser brancas?
Consegui vários pares pouco usados com um proctologista.

Patrícia Gonçalves disse...

Amei, amei!!! voce sabe que eu nao como animais, agora vc precisa postar outras receitas, tipo, substituindo a galinha e a picanha...

bjs