domingo, 13 de março de 2011

Ménage à trois poético

.
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
A língua lambe
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987)
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A língua lambe as pétalas vermelhas
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . da rosa pluriaberta; a língua lavra
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . certo oculto botão, e vai tecendo
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . lépidas variações de leves ritmos.
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E lambe, lambilonga, lambilenta,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a licorina gruta cabeluda,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e, quanto mais lambente, mais ativa,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . atinge o céu do céu, entre gemidos,
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . entre gritos, balidos e rugidos
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de leões na floresta, enfurecidos.




. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Araras versáteis
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .
Hilda Hilst (1930 - 2004).

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Araras versáteis. Prato de anêmonas.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O efebo passou entre as meninas trêfegas.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O rombudo bastão luzia na mornura das calças e do dia.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ela abriu as coxas de esmalte, louça e umedecida laca

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E vergastou a cona com minúsculo açoite.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O moço ajoelhou-se esfuçando-lhe os meios

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E uma língua de agulha, de fogo, de molusco

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Empapou-se de mel nos refolhos robustos.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ela gritava um êxtase de gosmas e de lírios

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quando no instante alguém

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Numa manobra ágil de jovem marinheiro

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Arrancou do efebo as luzidias calças

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Suspendeu-lhe o traseiro e aaaaaiiiii...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E gozaram os três entre os pios dos pássaros

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Das araras versáteis e das meninas trêfegas.



. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . A cópula

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . .Manuel Bandeira (1886 - 1968)
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Depois de lhe beijar meticulosamente
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . o cu, que é uma pimenta, a boceta, que é um doce,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . o moço exibe à moça a bagagem que trouxe:
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . culhões e membro, um membro enorme e turgescente.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Ela toma-o na boca e morde-o. Incontinenti,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Não pode ele conter-se, e, de um jacto, esporrou-se.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Não desarmou porém. Antes, mais rijo, alteou-se
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . E fodeu-a. Ela geme, ela peida, ela sente

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Que vai morrer: - Eu morro! Ai, não queres que eu morra?!
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Grita para o rapaz que, aceso como um diabo,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Arde em cio e tesão na amorosa gangorra
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . E titilando-a nos mamilos e no rabo
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . (Que depois irá ter sua ração de porra),
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . Lhe enfia cona adentro o mangalho até o cabo.

.

7 comentários:

Assis Freitas disse...

Drummond e Hilda eu já lhes conhecia veia erótica, agora esse Bandeira totalmente pornográfico não, maravilha


abraço

Malena disse...

Ménage perfeito! :)
Abraço lusitano

Elza Magna disse...

¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬

GENTE QUERIDA,

Não sei o que aconteceu, mas cerca de 30 comentários que estavam aqui... D E S A P A R E C E R A M !!!

Só restaram esses dois, do Assis e da Malena.

Será que foi ação de algum racker evangélico ou coisa assim?

Mil desculpas à Sil, à Su/Lilly, ao Marcantonio, à Vera, ao Marcel e a todos os demais que me brindaram com palavras aqui!

Beijos

¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬

Marcantonio disse...

Ah!
Mas nem a cacetada eu faço outro! Perdi quase três horas e quarenta e sete minutos elaborando aquele (lembra dele?). Pena, porque a minha memória é péssima. Bem, mas o importante é que os poemas continuam aí. Aliás, vou dar outra olhadinha maliciosa neles porque vale a pena.

Bem, mas no lugar do Assis e da Malena, eu faria um fézinha na Mega-Sena. (Ô rimas que me perseguem).

Se acaso eles reaparecerem, favor deletar esta excrescência, para que eu não pareça mas desavisado do que já sou!

Abraços.

Lily disse...

SNIF!...

Gastei meus dedos no teclado, suei para escrever com calma (sem muito tesão) e meu comentário é deletado? Será alguma implicância com as depilações que tanto admiro? Fico com medo, de repente, irão me rogar praga, pra que nasça cabelo no meio da minha testa.

Vade retro, Satanás!

Beijos, querida! Desculpa, empolguei-me.

Suzana/LILY

Tânia Marques disse...

Que tal Bandeira completamente nu? Imaginei toda a cena do poema, de "santinho" não tinha nada para aquela época. Bárbaro esses poemas, eles não entraram para os livros didáticos. Por que será??? rsrsrsrsrs Beijos

Wilden Barreiro disse...

Pena que tantos comentários tenham desaparecido. Gosto da extenção que eles oferecem ao post. Mormente quando o post é saboroso como este.
Beijos, Elza!