sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Altíssimos

.
.
.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . Para Lily & Suzana

. .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Eras tão grande, tão grande

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Que todo o meu imenso amor cabia,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Livre e saltitante, aos pés desnudos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . De teu pequenino corpo

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Solar,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Centro de minucioso universo de cores

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E brilhos femininos,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A atrair-me e lançar-me em órbita

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Majestosa, jupteriana – a mim,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Justo a mim, indistinto grão

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . De tua cósmica poeira.

. . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Então, Cinderela, achaste

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aqueles antigos sapatos...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os tais que em boa hora perderas.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E os malditos, altíssimos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como deuses,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Te recriaram, em barro borrado,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quase do meu tamanhão

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Físico, cavalgaduramente físico,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Porém nada, nadinha

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comparável à densa infinidade

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . De estrelas, cometas e luas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Que agora se faziam, em debandada,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gélidos, sorumbáticos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Batráquios... alados

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Por tua frívola arrogância de somar

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma pitadinha ou duas, talvez três

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . De centímetros de não ser.

.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬¬¬

.

Imagem: um pé de sapato da Gaby – http://coisasdemulher.blogspot.com –, dois do blog http://não-sei-que-lá-em-grego e, como os demais, totalmente perdidos de suas donas no limbo da minha desorganização. (Quem se sentir descalça de um desses pés de sapatos, por favor, grite que eu dou o crédito!)


36 comentários:

Deco disse...

Sensacional, Teopha! Incrível como você consegue misturar tão bem lirismo e ironia, seu sacana!
Abraço

L.O.L. disse...

Genial

Lily disse...

Theopha (posso chamá-lo assim?),

eu adorei! Obrigada, obrigada... tudo pelos meus (e acho que teus também)risos e todo aquele pomar e escada da Carmen Miranda!

Adorei o "solar", sou leonina...
Adorei os sapatos perdidos e achados. Será que você já percebeu a minha personalidade? Pelo visto, já! O texto combinou comigo, serviu direitinho.

Sabe, moço, adoro-te!
Adoro esta tua extroversão, tua alegria, teu bom - bom não, ótimo - humor.

Eu queria levar este presente para o meu Blog, para decorar minha casinha de palavras.

Beijos, abraços!

Elaine Berti disse...

Desabafo: Depois que nos tornamos mulheres maduras (Gordas) Inteligentes (velhas) Sensatas (Podres), passamos a diminuir o tamanho do salto. Não é só o nosso tamanho que diminui, diminuímos o salto também, salto que outrora nos dava tanta elegância e tanto " gigantismo" pouco a pouco vamos diminuindo, até chegar a hora que nos vemos calçar as famosas "Molecas" sapatilhas de pano almofadas, única coisa que calçamos e que podemos andar. Depois da " Moleca" o futuro passa ser incerto, daí pras muletas ou cadeiras de roda é um pulo, e tudo que nos resta do Salto alto é uma lembrança embotada, longe, longe, aí que saudade do salto alto. kkkkkkkkkkkk
Teophanio você foi muito cruel em me fazer lembrar de uma coisa que eu já tinha esquecido! Tô de mal , mas será até amanhã depois fico de bem de novo kkkkkkkkkkkkkkkk. Beijo.

Alexandre da Fonseca disse...

lindo blog, sucesso e muita paz...visite meu blog: www.institutoeuqueropaz.blogspot.com..abraços

Teophanio Lambroso disse...

Minha alquimia é simples, simplória, Deco. Sangue + álcool. O resto é com o diabo!
Abraço

Obrigado, L.O.L.! Sou mesmna verdade um gênio da garrafa. Cheia, de preferência.
Abraço

Vocês podem me chamar como, de onde e a hora que bem entenderem, Lily & Suzana. Desde que não seja do alto dessas plataformas que vocês andam com a hedionda mania de usar. Isso é uma afronta à sacrossanta grandiosidade das baixinhas. De pé no chão - ou mesmo na minha cara! - me chamem até de Rex, que eu atendo faceiro, latindo sorrisos e abanando o rabinho pros céus!
Se estão dispostas levar essa chorumela pro seu(s) blog(s), fiquem à vontade, seria uma honra pra mim. Se quiserem, faço uma ilustração exclusiva e personalizada. Querem?
Beijos, abraços, frutas miranda, flores, confete e serpentina!

Lupe disse...

Fantástico, Teopha. Seus poemas são doidamente deliciosos!
Beijos

Lily disse...

Eu quero a chorumela!
Tenho certeza de que você me apreciaria de salto. Não fica ruim não. Pelo menos, eu sei andar em cima daquilo.

Você me diverte até o fundo do fundo da minha medula.

Adorei o seu comentário ardoroso, exagerado, jogado aos meus pés. Sua batida no teclado é impressionante, diferente, divertida demais.

Pode me chamar de Su, Lily, Suzana, o que quiser (modera aí, heim? Não exagera...rs!)

Beijos!

max weber thorenson disse...

Quem se sentir descalça
de um pé de sapatos...
por favor, grite: Cinderela sou
sapato semeei
e do chão fecundo de palavras
um pé de sapatos nasceu

achaste então que os sapatos
são seres mortos?
os sapatos nascem
crescem centímetro a centímetro
alargam-se nas juntas
descosem-se nos bordos
e ó despois
morrem
como tudo o que vive
. . . . . . . . . . . . . . . . .. aqueles antigos sapatos...

também têm alma

só faltam 4 para os 100 da sua desorganização. (dou-lhe um barbudo

Teophanio Lambroso disse...

Perdão, mil perdões, Elaine!
Pode me dar uma, duas,17, mil... quantas sapatadas quiser para se vingar. Apanharei de bom grado. Mas sapatadas de salto alto, vira essas "molecas" pra lá!
Beijos

Obrigado, Alexandre. Depois passo lá pra tomar um cafezinho com dois dedos de prosa.
Abraços

Obrigado, Lupe querida.
Beijos

Teophanio Lambroso disse...

A chorumela é toda sua, Su!
Você é apreciável até de pé-de-pato, grande baixinha.
Esse "fundo do fundo da sua medula" fica exatamente onde? Imagino que bem longe, pra lá de Itaquaquecetuba!
Beijos

Obrigado, Max, pelo comentário em versos e pela barbuda contribuição para o DS chegar ao milésimo seguidor.
Abraços

Tita Nasc disse...

Adorei, Teopha! Encheu o meu ego, que já pagou grandes micos nas poucas vezes que me meti a usar salto muito alto. Beijão

Luis Paulo Quintela disse...

Gostei, gostei, Teopha. Mulher nenhuma precisa fazer o sacrifício de se equilibrar em saltos para ser atraente. Principalmente as baixinhas que são perfeitas como são. Também sou um baixófilo apaixonado. Abraço

Aline Chaves disse...

Muito bom, Teopha. Romântico e engraçado, se é que isso é possível... Bjs

Teophanio Lambroso disse...

É que você é magra, Tita. Não tem lastro pra calçar salto alto e enfrentar ventania!
Beijão

Não sabia dessa sua virtude, Luis Paulo. Bem-vindo ao clube!
Abraço

Eu sou romântico, Aline, como todo canalha do bem. E levo o amor muito a sério, tão a sério que as pessoas acham graça...
Beijos

Vera Andrade disse...

Pobres de nós, as baixinhas! Agora temos o terrível Teophanio Lambroso contra o nosso direito de ficarmos um pouquinho mais distante dos rodapés...

Beijos, feioso!

ev disse...

Me gustó su poema.
Saludos

Teophanio Lambroso disse...

Aos meus olhos, humildes mas cobiçosos, Vera, toda baixinha levita pelos céus, senhora absoluta de todos os direitos constitucionais do meu desejo.
Beijos, esplendor!

Gracias, Ev!
Saludos

Divã...Na cama com as G3 disse...

Sua sutileza...leveza...me encantam!Adorei!
Bjokinhas

Salete Maria disse...

Queremos parabenizar pelo site e aproveitar para convidar você a visitar nosso blog www.cordelirando.blogspot.com onde você poderá ler o mais recente cordel intitulado VISÃO DO "STF" SOBRE A LEI FICHA LIMPA.
Um forte abraço!

Teophanio Lambroso disse...

0brigado, Divã!
Bjokinhas

Mari Carvalho disse...

Ameeeeeeeeeeeei...
"Porém nada, nadinha
Comparável à densa infinidade
De estrelas, cometas e luas"

Tô te seguindo =D

Mari Carvalho disse...

Ameeeeeeei *-*
..."Porém nada, nadinha
Comparável à densa infinidade
De estrelas, cometas e luas..."

Tô te seguindo =D

Imagem e Poesia disse...

Muito doido este teu escrito! Mas muito legal também. :)
Beijinhos
Ceiça

Teophanio Lambroso disse...

Obrigadooooooooooo, Mariiiiiiiiiiiii!
Beijoooooooooooo

Ainda bem que tem muita gente como você, Ceiça, que aprova minhas doidices! Qualquer hora me animo a postar as coisinhas que escrevo durante as minhas hospedagens em instituições psiquiátricas.
Beijinhos

Marcel Zaner disse...

Do cacete, Teopha!

"E os malditos, altíssimos
Como deuses,
Te recriaram, em barro borrado,
Quase do meu tamanhão
Físico, cavalgaduramente físico"... é genial!!!

Aline Chaves disse...

Romântico? Sei...
Mas você é muito doce e cavalhareiro. Uma passarinha me contou... Bjs

Ira Buscacio disse...

Adorei,

Pq alguns centímetros de não ser, quando se pode, somente, tão grande ser e ir do chão ao céu.

Bj

Aloisio Trobinski disse...

Pra mim tanto faz que a mulher seja alta ou baixa. Tanto faz também se ela usa salto baixo ou salto alto, desde que não queira ir pra cama de sapato...

Teophanio Lambroso disse...

Genial é você, Marcel, sempre a encher de ar puro a minha bolinha meio murcha!
Abração

Deve ser alguma passarinha de rapina, Aline, tentando enlamear a minha reputação de canalha!
Beijos

Não posso recriminar uma mulher por querer ir pra cama comigo de sapatos, Aloísio. Já fiz isso uma vez, aos 15 anos, numa das minhas raras e vãs tentativas de gostar de transar com putas. O raio da quenga não queria tirar o sutiã porque guardava nele a carteira...
Com a idiotice natural da idade agravada por excesso de pinga, falei: "Tudo ben, mas então eu não vou tirar os sapatos!"
Abraços

gabyshiffer disse...

hehehe meu sapatinho tá ali, o branquinh...
Acho que ele é o mais lindo ai, mas ainda mais lindo que ele só o poema, que eu adorei
:)
Adorei sua visita tb
Acho que vc deve aparar a barba, deixá-la mais rente, tipo barba por fazer, nada de pintar...
Ou quem sabe raspá-la, se vai ficar de cara nova...
que tal? Faz quanto tempo que vc não tira essa barba heim?
O cabelo acho que vc fica bem de cabelo meio comprido, só dá uma aparadinha...
Mas se não quiser fazer nada disso continue apenas a fazer uma coisa indispensável...
ser feliz!
Um bom começo de semana pra vcs desse cantinho
sempre que precisarem podem pegar qq coisa lá...
:)
Beijos na alma!

Vamos deixar para sofrer pelo que realmente é trágico, e não por aquilo que é apenas incômodo, senão fica impraticável atravessar os dias.
(M. Medeiros)

Mariana & Roberta disse...

Bom Dia:
O FLAMES está a promover um novo passatempo. Participe :)

Teophanio Lambroso disse...

Que nada, Gaby. Pago mil poeminhas desses pelos três pés que faltam: o par deste da ilustração e mais os dois seus!
Quem lhe visitou, formalmente, foi o Tuca. Eu só entrei sorrateiramente para furtar o sapato. Além disso, não vivo esses draminhas boioludos sobre corte de cabelos, porque felizmente sou completamnte careca. E jamais apararei a minha cartola!
Beijos na aura!

Passatempo é comigo mesmo, meninas. Alias, o Teopha passa passa óleo, passa a mão... passa tudo, exceto roupa.
Beijocas

Primos disse...

Sutil, mas sem cair do salto alto.

Teophanio Lambroso disse...

Jamais caio do salto alto, Primos. Porque nele não subo. Tenho pavor de altura, de qualquer alturinha. Se subo, me estabaco... sem qualquer sutileza.
Abraços

frô disse...

Para Lily.... amei! Ela merece! Elaine, seu comentario merece destaque! adorei!