quarta-feira, 16 de junho de 2010

Sob o ritmo incansável de Daila

.

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Sob o ritmo incansável de Daila *

.

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . Teophanio Lambroso

.

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Compromisso selado nas estradas,

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Tendo como único padrinho o vento

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .A soprar-nos, somos sombras aladas,

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . . . . .. . . .. . .Sem identidade e história, somente

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Projeções sob instável luz de vela.

.

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Estamos velhos --- . eu mais do que tu,

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Que vieste primeiro, muito mais bela

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Do que me forjaram, ignaro e nu.

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .És abençoada, em madeira e verniz;

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .E eu cuspo na bênção, carnal e roto,

.

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Enquanto me perdoas o que não fiz

. . . .. . . . . . .. .. . . .. . . . . . .. .. . . . . . . .Pelo teu reinado sob mim ---. o imoto.

.

* Dedicado a todas as motos, lambretas, bebidas e mulheres ---. necessariamente nesta ordem --- . que não pilotei nem bebi nem comi.

.


9 comentários:

Balamgo disse...

Buena poesía y mejor dedicatoria.
Saludos.

Mα∂ємσiѕєℓℓe Ѽ disse...

Bonsoir!!

Passando para retribuir sua visita, aposto que irá gostar da minha outra casa http://nostemposdaminhaavo.blogspot.com/

Esperando..bjs!

Mendonça disse...

Poema para uma moto... só o Teophanio mesmo.

Antonio Alves disse...

Muito bom o poema, Teophanio. Mas não podia faltar o toque sacana na dedicatória, né?

Thiago Thi disse...

Teophanio, tu é muito doido!!! Ainda bem...

Teophanio Lambroso disse...

Obrigado, Balamgo.

Bonsoir, Mademoiselle. Esse negócio de avó não é bem a minha praia, mas vou ver aqui com o Tuca, que é chegado numa macróbia.

As motos merecem, Mendonça. São tão humanas quanto as lambretas e biritas. E até quanto as mulheres!

Sacana, Antonio? Me pareceu tão romântico...

Modéstia à parte, Thiago, sou sim.

Vera Andrade disse...

Lindo poema. E esta moto da foto, de que ano é?

Luis Paulo Quintela disse...

Genial! Tudo: a idéia, o poema, a dedicatória e a foto.

Fagulhas do Divino no humano disse...

Lindo demais este poema , fala a alma ao coração ao ser , fala com afago ...bjsuus